22.5 C
Brasil
domingo, dezembro 5, 2021

Impasse sobre Renda Brasil persiste no governo, mas respeito ao teto de gastos avança

Brasil

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes



O Palácio do Planalto e a equipe econômica chegam ao final desta semana ainda sem clareza sobre o caminho que será seguido na construção do relatório da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Pacto Federativo, mas trabalhando na direção de um desenho que não abra brechas no teto de gastos.

Membros do gabinete do senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da proposta, indicam que o texto ainda não foi apresentado justamente porque não se chegou à equação que irá possibilitar o financiamento do Renda Brasil sem “tirar do pobre para dar ao paupérrimo” e, principalmente, sem abrir exceções aos limites impostos pelo teto de gastos.

O senador, nas palavras de seus auxiliares, está plenamente consciente do desafio e sabe dos riscos de se adotar qualquer proposta heterodoxa em relação ao teto. Ele descarta, inclusive, a opção de usar um eventual aumento de receitas com a aprovação da CPMF, por exemplo, para bancar o Renda Brasil, pois está afinado com a regra segundo a qual não é possível criar novo gasto no Orçamento sem antes cortar despesas, mesmo que se tenha uma nova fonte de receita, como seria o caso na hipótese da aprovação de um novo imposto.

Empenho do presidente

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também estaria demonstrando aos líderes seu empenho em viabilizar o Renda Brasil sem deixar de sustentar o teto de gastos. Sua participação direta nas duas últimas reuniões sobre o tema, na terça e na quarta-feira, foi um indicativo neste sentido, segundo um dos presentes no encontro.

Membros do primeiro escalão do governo corroboram essa tese. Segundo ministros, o empenho do Planalto e a saída preferida pelo presidente vão na direção de que o novo programa aprimore e qualifique os gastos existentes, com incrementos apenas dentro do permitido pelas regras fiscais atuais – e não amplie seu orçamento a qualquer custo.

“Com o veto do presidente à extinção de programas e a uma parte das desindexações, é mais factível melhorar o gasto do que ampliar”, disse um integrante do governo. “Vai ser dado o que for possível, mas desde que se respeite a regra orçamentária”, afirmou outro.

Os próprios auxiliares do presidente que trabalham nessa direção, no entanto, reconhecem que a opinião não é unitária dentro do governo. Há quem sustente que um esforço extra deve ser feito para suavizar ainda mais a aterrisagem do fim do auxílio emergencial. Essa transição gradual, aliada a investimentos em infraestrutura, garantiriam ao governo a popularidade necessária para continuar tendo condições de tocar sua agenda nos dois anos finais de mandato.

Os indicadores que aparecerão com a redução do auxílio de R$ 600 para R$ 300 a partir deste mês tendem a dar força a esse discurso, se forem muito negativos.

Nesse sentido, de promover o aumento possível dentro do respeito ao teto, um caminho que vem sendo apontado por lideranças no Congresso, como o senador Eduardo Braga (MDB-AM), é a desindexação de benefícios previdenciários acima do salário mínimo por um período determinado. Bittar está analisando esse item que, nas contas de integrantes da equipe econômica, poderia gerar uma economia de R$ 7 bilhões no primeiro ano e R$ 10 bilhões no segundo.

Mesmo tendo claro que a desvinculação dos mínimos para Saúde e Educação são temas polêmicos e que enfrentarão resistências, Bittar quer manter o dispositivo em seu relatório, por defender que não haverá diminuição de recursos para essas áreas.

O texto do senador com as medidas de acionamento dos gatilhos do teto já está pronto, segundo seus auxiliares, aguardando apenas a decisão política do governo sobre as fontes de financiamento para o Renda Brasil. O senador segue em reuniões e a previsão é que tenha um relatório para ser apresentado aos líderes no Senado na próxima semana.

Nossas conversas indicam também que a aprovação das normas de revisão de despesas está condicionada a um apoio de Bolsonaro a essas medidas – dificilmente terão chances de prosperar temas impopulares que tenham sido vetados pelo presidente, ainda que indiretamente.

The post Impasse sobre Renda Brasil persiste no governo, mas respeito ao teto de gastos avança appeared first on InfoMoney.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias