22 C
Brasil
terça-feira, dezembro 7, 2021

São Paulo tem 2.049 mortes por coronavírus e 24.041 pacientes infectados

Brasil

O governo de São Paulo anunciou nesta terça-feira (28) um aumento de 12% no número de óbitos causados pelo coronavírus. Segundo o secretário estadual de saúde, José Henrique Germann, o estado apresenta, de acordo com os dados mais atualizados, 24.041 casos confirmados da Covid-19 e 2.049 mortes pela doença.

Os números demonstram, segundo Germann, crescimento de 11% na quantidade de pacientes infectados. Ainda de acordo com o secretário, o estado não possui fila de testagem, ou seja, os óbitos confirmados foram de pacientes que realizaram exames recentemente.

Embora seja o maior aumento já registrado no estado, o infectologista e chefe do Centro de Contingenciamento do Coronavírus, David Uip, explicou que é necessário analisar corretamente as informações.

“A letalidade não é um bom método de acompanhamento epidemiológico. Quando você testa muitas pessoas, você aumenta o denominador e diminui a letalidade. Quando você testa só pacientes internados graves, obviamente, a letalidade aumenta. É um dado, mas precisa ser muito bem entendido e não pode ser comparado entre o Brasil e outros países. Precisa ter cuidado em avaliar direito esse denominar e numerador.”

Segundo ele, quando São Paulo tiver um maior número de testagem na população, haverá uma situação diferente entre o número de casos testados e o número de mortes. Entretanto, para ele, a explicação não invalida a importância e preocupação com o aumento registrado.

Ainda a respeito do dado apresentado, o infectologista e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Carlos Fortaleza, que também participou da coletiva, explicou que o ideal é sempre considerar o número de mortes a cada 100 mil habitantes.

Dados e flexibilização

José Henrique Germann afirmou ainda que 1.437 pacientes estão internados em leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) e 1.800 em camas de enfermaria. Isso representa, no estado de São Paulo, ocupação de 61,6% das UTIs e 44,5% das enfermarias.

Entretanto, quando analisada a capacidade da região metropolitana paulista, a taxa de ocupação das UTIs aumenta para 81%; dos leitos de enfermaria, para 70%.

A respeito da possível flexibilização das medidas de isolamento, previstas para começar em 11 de março, Germann afirmou que “quem manda são os números e os dados que vamos analisando a cada dia”.

“Contato social, distanciamento menor são casos a mais e casos a mais significam óbitos a mais. Estamos trabalhando em alerta amarelo. A taxa (de isolamento) de ontem foi de 48%, então mais uma vez descemos a taxa abaixo de 50% e isso é muito perigoso.”

“Queria enfatizar o ‘fique em casa’. É muito importante que a gente faça um distanciamento social muito rigoroso para que a gente atinja uma meta de 60% acima e, com isso, vamos ter uma diminuição no número de casos ou pela menos diminui a velocidade no aumento de óbitos.”

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias